top of page

Machu Picchu

Chegar até Machu Picchu foi um grande périplo, que começou na saída de Cusco às 5hs da manhã sob um frio de 6 graus. Pegamos um ônibus para Poroy e de lá seguimos de trem até Águas Calientes.

O trem viaja lentamente e vai serpenteando por entre os Andes, acompanhado pelo rio Urubamba e suas corredeiras. A viagem é tão bucólica que trem e rio parecem deslizar na mesma velocidade.

Águas Calientes está no pé de Machu Picchu, a "montanha velha".

De lá, outro ônibus nos leva até a Cidade Sagrada, no topo do mundo. Um percurso de meia hora, de curvas fechadas beirando a ribanceira, com muita emoção até chegar lááá em cima.

 

Depois de uma breve caminhada, atinge-se o primeiro mirante: a foto clássica de todos os peregrinos. Avistar aquele lugar cravado na cordilheira é uma viagem no tempo, uma experiência divina, um momento de profunda reflexão sobre a nossa própria existência.​

Enquanto caminhava pelas ruínas e ouvia as explicações sobre como aquela sociedade vivia em harmonia absoluta com a mãe Terra numa sabedoria misteriosa e infinita, refletia sobre como somos parte de um grande e complexo ecossistema.

Seguimos caminhando, respirando, aprendendo e nos emocionando com a paisagem impressionante, com as histórias centenárias e com a vibração dos nossos antepassados.

Tirei muitas e muitas fotos, até que... a câmera parou de funcionar. De repente, do nada!

Por alguns instantes me irritei ligando e desligando a câmera, conferindo todos os botões e configurações, tentando solucionar o problema, em vão.

Então, parei.

Percebi que aquilo não tinha acontecido por acaso. Guardei minha câmera com muito carinho, procurei me reconectar, apenas fotografar com a retina dos olhos e enxergar aquele lugar celeste com o coração.

A energia infinita que emana dali está refletida no equilíbrio entre cada componente daquele cenário: os terraços geométricos de cultivo, as edificações de pedra encaixadas estrategicamente, as lhamas preguiçosas tomando sol na grama e os picos grandiosos que tocam as nuvens.

Saí de Machu Picchu inebriada, em êxtase, com a sensação de estar flanando no tempo, plena de euforia e gratidão por testemunhar aquela maravilha. O mundo no qual eu vivia se expandiu e a vida se tornou maior e cheia de significado.

 

Naturalmente, toda a emoção deste momento irá, aos poucos, se acalmar. Mas aí, a Ana já não terá mais a alma do mesmo tamanho.

Veja mais fotos desta experiência inesquecível aqui.

IMG_1450.jpg
bottom of page